Diário do Padre Jacob Joye
Por SYB Projetos, em 09 de maio de 2009

ANOTAÇÕES FEITAS DURANTE A ÉPICA VIAGEM
FRIBOURG – NOVA FRIBURGO -1819

Documento guardado no Arquivo do Estado de Fribourg-Suíça
Tradução do original feita por Vera de Siqueira Jaccoud - 2003


APRESENTAÇÃO

Na História das migrações dos povos, são poucos os acontecidos semelhantes à da colonização suíça que redundou na fundação de Nova Friburgo. Constituiu-se ela na primeira colonização não portuguesa havida no Brasil, em caráter permanente. A fantástica viagem, de início realizada ao longo do Rio Reno e, depois, da Holanda ao Rio de Janeiro, em sete veleiros que atravessaram o Atlântico, teve início com a participação de 2006 pessoas, homens e mulheres, de todas as idades. Durante seu decurso nasceram 14 pessoas e 289 encontraram a morte. Num dos veleiros, o Urânia, que transportou 437 colonos, todos do cantão de Fribourg, inclusive Joye, 109 tiveram o Atlântico por túmulo. Num só dia, sete corpos foram lançados ao mar.

Embarcaram, na Europa, dois padres, Jacob Joye e Joseph Aeby, o segundo morreu em Santo Antonio de Sá, quando se banhava no Rio Macacu, às vésperas de chegar ao destino.

Ao embarcar no porto de Estavayer-le-Lac, no Lago de Neuchâtel, no cantão de Fribourg, Joye contava com 29 anos de idade. Aqui teve um vida de muitas e seguidas lutas, mas não conseguiu sequer, construir sua igreja paroquial. Teve de se haver com vultosos problemas religiosos, surgidos com a inopinada chegada a Nova Friburgo, em 3 de maio de 1824, de 342 alemães chefiados por um pastor luterano, que veio como condutor da primeira leva de protestantes a se instalar na América Latina. Oswald Friedrich Sauerbronn, líder dos alemães, conseguiu erguer seu templo, na vila, antes de Joye, representante da religião oficial do então Reino do Brasil, o Catolicismo, apesar de suas intensas e inglórias lutas a respeito, quando chegou, inclusive, a iniciar, com a devida licença da Câmara Municipal, a construção da sua Igreja Matriz, mas que teve o desencanto de ver suas obras paralisadas por determinação da própria Câmara.

Jacob Joye não resistiu à humilhação. Abandonou a vila e refugiou-se em São José do Ribeirão, onde veio a falecer em 8 de julho de 1866 contando, portanto, com a idade de 75 anos.

A vida do padre Jacob Joye, homem austero e correto, constituiu-se num exemplo dos mais edificantes e é com o pensamento nesta terra que me viu nascer, “a mais gentil meiga e formosa flor das montanhas do Brasil”, que faço, com incontido orgulho, a apresentação deste trabalho elaborado por minha querida irmã, Vera, sobre cópia autêntica, que me foi remetida da Suíça, por Martin Nicoulin, das “Notícias da viagem dos colonos suíços da primeira leva, ao seu destino no Brasil. 1818-1820”.
Nova Friburgo, no dia de São João – o padroeiro de Nova Friburgo – do ano de 2003

Carlos Jayme de S.Jaccoud


Notas sobre a viagem dos colonos suíços do primeiro comboio indo ao seu destino no Brasil 1819-1820


Em 4 do mês de julho do ano de 1819, os colonos de Fribourg, Vallet e de Vaud, formando o primeiro comboio da colônia(1), saíram do porto de Estavayer le lac, por volta do meio dia, sob o ruído dos canhões, após terem recebido a benção de Sua Grandeza Monsenhor Bispo de Lausanne, que foi às margens do lago, acompanhado de parte do seu clero. Uma multidão incontável de espectadores , vindo de todos os lados, convergiam todas as atenções ao porto. Três grandes barcas e uma pequena suplementar, que não partiram senão por volta das 7 horas da noite, conduziam os colonos, em número aproximado de 1.111, até Soleur.

Como não havia vento os colonos não chegaram a Soleur senão na terça feira à noite, 6 do corrente. No primeiro dia foi feito o desembarque em Thielle, às 11 horas da noite, na extremidade do lago de Neuchatel; teríamos prosseguido nosso caminho mas é perigoso passar este ponto à noite(2).

No dia seguinte atravessamos o lago de Biase e, após uma pequena parada em Nidau, fomos dormir fomos dormir em Brug, pequena vila, a duas léguas(3) mais abaixo que Nidau. Nossa intenção era ir mais longe mas uma tempestade, das mais terríveis, nos obrigou a desembarcar em meio a trovões, relâmpagos, e chuva de granizo. Foi bem triste espetáculo ver-se todos os colonos , mulheres e crianças, vararem a chuva e não terem sequer um estábulo para refúgio e passar a noite.

No lago Bienne alguns de nós saímos dos barcos e fomos visitar a encantadora ilha de Saint Pierre. É um pequeno paraíso terrestre e não me surpreendeu o fato de ter J.J.R.(4) tê-la deixado , com tanta pena.. Visitamos o quarto que foi por ele ocupado, onde não vimos senão a inscrição sobre a parede.

Na manhã do dia 6, tendo penetrado no Aar, chegamos em Soleur à noite sob o vibrar dos gritos de alegria e pelo troar de salvas de canhões.

Em 8 partimos de Soleur em 6 chatas, visando passar a noite em Brugg e no dia seguinte em Bale (5). Em Soleur pode ser vista a Igreja de Sta.Ursula e um eremitério distante ¾ de légua da cidade e, a 6 léguas de Soleur, o Castelo de Aarbourg e, mais abaixo, Gotten, convento dos capuchinhos, o que me trouxe gratas recordações.

A cidade de Arau, o castelo de Sotemberg na margem direita do Aar, o salto de Bruck, onde este lança-se sobre o Reno, é uma passagem amedrontadora, quer pela rapidez da água quer pelo seu ecoar entre os rochedos.

Em Loffenbourg, 4 a 5 léguas mais abaixo de Bruck, pode-se ver a cachoeira do Reno. Ali tornou-se necessário descarregar inteiramente as barcas e descer por meio de cordas.

Chegamos a Bale no dia 9 e partimos a 13, de manhã, com seis barcas cobertas com taboas. As barcas suplementares não possuíam nenhuma cobertura. Nas primeiras, havendo fogões, os colonos podiam cozinhar. As duas outras, que não possuíam coberturas e que tão somente eram cobertas por lonas panos de má qualidade, arrumaram alguns tijolos para servirem de fogão. Os que foram embarcados nestas últimas, sofreram mais do que os outros.

No dia 13, à noite, dormimos em Vieux-Brussac, a 14 léguas do grão ducado de Brussac. Em 14 no Grão Ducado de Baliens e de Strasbourg. Esta pequena cidade sofreu muito com as últimas guerras, ela é situada sobre um monte e oferece uma vista deliciosa sobre as duas margens do Reno.

Em 14, chegamos a Kheel, perto de Strasbourg, onde os primeiros barcos aguardaram a chegada dos demais, afim de se reunirem num só comboio.

Strasbourg, estando apenas a uma légua de distância, a curiosidade levou-me a ir até lá, onde pude ver a torre da soberba catedral, soberbo monumento antigo. Ela tem 300 pés de altura e 658 degraus. O grande sino tem 7 pés de diâmetro e 8 de altura. Nota-se, ainda, a Igreja de St. Thomas, o soberbo túmulo do marechal de Saxe, iniciado por Luis XV e terminado por Luis XVI. Custou três milhões.

Em 15, todos reunidos, pusemo-nos a caminho e não desembarcamos senão à noite, em Fort-Luís, território francês. À noite batizei uma criança, ao relento, na margem do Reno, a quem foi dado o nome de Bonaventure. Fomos obrigados a acampar.

Em 17, em Guemersheim, chegamos à Baviera. No dia seguinte celebrei uma missa ao ar livre, na margem do Reno. Vimos a vila de Phillisbourg e Sur. No dia 18, em Manheim, encantadora cidade, quer por sua arborização quer por seu traçado regular.

A 19, acampado próximo da aperto da cidade de Stuckstad , percorri toda a cidade em vão, a procura de um alojamento e de qualquer coisa para comer. Os habitantes foram tão honestos que disseram-nos que estavam proibidos de faze-lo e se insistíssemos corríamos o risco de levar pancadas(6).

Dia 20 dormimos em Mogúncia,quando os colonos não deixaram de fazer provisões de presunto, ocasião em que puderam constatar que os mesmos não são melhores do que os da Suíça. O acaso fez com que uma banda militar austríaca, com cerca de 40 músicos, apresentava-se no local em que desembarcamos e assim pudemos ouvi-la com muita satisfação.

Dia 21 - em Beupart.

Dia 22 - em Ordenat, na Prússia.

Dia 23 - em Colônia, grande cidade, porém muito mal construída.

Dia 24 - em Guimmelgest, pequena vila na margem direita, onde fomos obrigados a acampar, exceto umas poucas pessoas.

Dia 25 - domingo, chegamos a Düsseldorf, na Prússia, onde celebramos uma missa cantada na Igreja paroquial, para surpresa de toda a população. À noite dormimos em Wessel, última cidade da Prússia, fronteira da Holanda.

Em 26, antes da partida, três colonos caíram no Reno mas foram salvos rapidamente. À noite dormimos, ou melhor, fomos obrigados a acampar duas noites em Sorvitt, local da primeira alfândega dos Países Baixos. A demora havida nesse lugar foi ocasionada pela ausência de comissários, que foram a outra cidade para obter franquia de pedágio no território da Holanda, bem como a dispensa de umas exigências que nos teriam ali retido por vários dias.

Em 28 dormimos em Nijmegen, bonita cidade construída sobre uma pequena elevação, pátria do reverendo padre comissário. Nesse ponto deixamos o Reno e passamos a navegar no Val, afluente na margem esquerda daquele rio.

Em 29, chegamos a Dordrecht.

Em 30 de julho chegamos a Mijl, a um quarto de légua dessa cidade, onde permanecemos até o novo embarque em Gravendel, uma légua mais abaixo de Dordrecht, onde embarcamos em 12 de setembro.

A estada dos colonos em Mijl foi muito desagradável e perniciosa à sua saúde porque foram, em grande parte, acampar nas margens do rio e dormirem sobre a terra , em depósitos de cereais, de mercadorias e de lenha, onde contraíram o germe de uma febre intermitente que foi a causadora da grande mortalidade no mar. Durante a minha permanência em Dordrecht, fui por 4 a 5 vezes a Rotterdamm, a 4 léguas de distância, para realizar gestões do interesse da colônia mas sempre fui obrigado a voltar sem demora.

Somente em 24 de agosto pude realizar o projeto com o qual sonhara, o de visitar Amsterdam. Propus a viagem ao senhor Thorin fazer a viagem de visita e ele aceitou. Partimos para lá às 10 horas, em diligência e chegamos a Delphte, às dez horas da noite. . No dia seguinte, de madrugada, fomos visitar o soberbo túmulo do príncipe holandês Guilherme de Nassau, em quatro andares, com estátuas de bronze. A cidade de Delphe tem treze mil habitantes. De lá fomos a Goie, onde conseguimos carta de recomendação para Amsterdam. Lá conseguimos licença parta visitar o Palácio Real em todo o seu interior. è o palácio em que habitou Luís Napoleão. Não vimos o interior do palácio do Rei atual porque lá se faziam grandes reformas. Mesmo em vésperas de fazermos uma grande viagem pelo oceano, estávamos curiosos de ver o mar. Dirigimo-nos a Schevering, pequena cidade a três quartos de légua , com ruas retas e sombreadas por árvores, o que a torna muito agradável. Vimos na beira do mar uma centena de construções de pescadores e muitas pessoas que passeavam de carros, o que muito nos distraiu. Haia é a mais agradável cidade da Holanda pela beleza dos seus edifícios, das praças e avenidas. Próximo à cidade há um parque delicioso onde há sempre uma grande afluência de pessoas. À tarde fomos a Lawe, grande cidade com cerca de 28.000 habitantes, muito bonita, mas com pouco movimento. Às sete horas da noite partimos para Amsterdã numa pequena barca puxada por um cavalo. É a maneira de viajar pelos canais da Holanda e somente para passageiros. Chegamos à Amsterdã às seis horas da manhã. Cidade encantadora, bastante populosa e extremamente e movimentada onde, com dinheiro, se encontra tudo o que se pode desejar. Vimos o interior do Palácio Real, a sala do trono e, do alto da torre deslumbramos, de um só relance, todos os 36 sinos que formam seu extraordinário carrilhão. De lá fomos ao estaleiro, local onde se constroem navios e onde vimos o arcabouço de uma dezena de grandes vasos de guerra em construção. No arsenal há miniaturas de todos os navios modernos e antigos, assim como lembranças de acontecimentos relativos aos mesmos. Fomos ao porto que é muito grande e bonito e onde, facilmente, se contam mil construções. O dia que passamos nessa cidade de 24.000 habitantes não nos pareceu longo e não foi, senão às oito hora da noite, o momento da nossa partida. O carro chegou às 6 horas da manhã a Gouda, cidade onde se faz cachimbos de barro. De lá tomamos a diligência até Rotterdam, onde um pequeno barco, que nos levou de volta à nossa hospedagem, depois de uma viagem um pouco penosa, mas agradável.

A longa permanência em Dordrecht foi ocasionada por atrasos e dificuldades que tivera Mr. Gachet para obter os vistos necessários, em decorrência da proibição originada por um cargueiro, que ao sair do porto, foi levado por uma tempestade e destruiu a repartição encarregada deles. Somente em 11 de setembro o nosso primeiro navio, o Daphné, devidamente aparelhado, pôde partir. Os outros seguiram no dia seguinte.(7)

Travessia do oceano - Navio Urânia

Em 12 de setembro de 1819 (8), por volta das 10 horas da manhã, tendo a bordo 437 colonos, de todas a idades e sexos, saímos do porto de Gravendeel, o nosso Urânia partiu, com ventos favoráveis para navegar no braço do rio, mas não para entrar no mar alto, o que nos obrigou a lançar âncora a 5 léguas de distância, o que nos proporcionou a vantagem de ainda termos água doce à vontade.

À tarde fiz a visita aos doentes com o sr. Provos Duhjamar, oficial da saúde do nosso navio. Encontramos várias pessoas indispostas pelo longo período de exposição na região pantanosa da Holanda. Em estado grave, porém, encontramos apenas François Butty(9) de Mesières, com uma febre violenta. Administrei-lhe os santos sacramentos e extrema unção por volta das nove horas da noite, o que fiz com bastante dificuldade pois não foi nada fácil fazer as unções pois, como os doentes estavam deitados em seus catres foi preciso que eu ficasse em uma posição nada agradável.

Em 13, pela manhã, levantamos âncora e prosseguimos nossa viagem. O tempo tornou-se mau e após a oração da manhã – que se faz todo dia em comum, bem como a oração da noite – procedi o sepultamento do menino Pierre, filho de Jacques Perrier, de Vuisternens, falecido com fraqueza extrema. As cerimônias de sepultamento no mar não são grandes. Um sudário e um pequeno saco de areia amarrado aos pés, eis tudo. Promovi, no tombadilho, todas as cerimônias religiosas de praxe e, a um dado sinal, lança-se o cadáver no mar, o qual imediatamente desaparece.

Esta mesma cerimônia foi repetida na noite do mesmo dia para François Butty, falecido com a febre que o vitimou. Ele foi envolvido da mesma forma que o precedente. Durante a cerimônia o corpo foi colocado na borda do navio, sobre uma prancha que simplesmente foi levantada em uma das extremidades e o corpo, caindo, foi logo envolvido pelas ondas. Já havia, pois, duas mortes antes de entrarmos no oceano. Isto foi apenas o início das penosas perdas que tivemos durante a travessia, das quais mais tarde darei o total.

À tarde lançamos âncora perto de uma pequena cidade e o nosso Capitão desembarcou para pegar a autorização de saída e trocar de piloto. Após duas horas estávamos em condições de fazer velas apesar de tarde da noite e de enfrentarmos passagens perigosas oferecidas pelos bancos de areia, antes da saída para o mar. Para evita-los haviam molhes engastados de distância em distância mas que não podiam ser vistos.

Corremos o maior perigo de ficarmos encalhados pois a sonda não registrava mais de 19 pés de água e nosso navio calçava 14 pés. Graças à Providencia passamos sem acidentes. Nosso piloto foi imprudente por nos expor dessa forma. Também fez papel de pateta: as pessoas que deveriam vir busca-lo para o levar para terra pensaram que não havíamos partido e não vieram encontra-lo e, assim, ele foi forçado a seguir conosco até avistarmos uma casa de pescador em Douvre; fizemos sinal e uma pequena chalupa veio até o navio e o reconduziu até à terra. Ele foi obrigado a viajar mais de 100 léguas para voltar à sua habitação.

Dia 13, à noite, entramos em mar alto e começamos a sentir o balançar do navio que ocasionava enjôo. Foi bem triste assistir o espetáculo que os viajantes ofereciam. Em todos os lugares ouviam-se lamúrias, queixas, vômitos. Os que socorriam seus vizinhos rapidamente estavam na mesma situação. Se não tivéssemos sido prevenidos de que não havia nenhum perigo, teríamos ficado apavorados. Dir-se-ia que estávamos prestes a expirar. Tais cenas foram seguidamente repetidas durante uma dezena de dias. Dei graças a Deus por me ter favorecido, pois não sofri enjôo.

Em 15 de setembro, antes do nascer do sol, entramos no Canal da Mancha. Não percebemos nem Dover nem Calais mas, durante o dia, o vento nos aproximou da Inglaterra e vimos a costa perto de Londres (10). À tarde os ventos mudaram e fomos obrigados a ficar à deriva durante algum tempo. Durante a noite nós passamos a ilha de Wrigth.

Em 16, de manhã, os ventos mudaram de forma favorável e como eram fortes, acompanhados de chuva, faziam o navio jogar. Os colonos, novamente, sofreram de enjôo. Na ponte do navio o cheiro era insuportável, pelos vômitos contínuos. Nesse mesmo dia estávamos à altura de Cherbourg e de Partzmont, mas muito mais próximo deste último.

Em 17, os ventos e a agitação do mar eram sempre os mesmos e os colonos, continuasvam indispostos com os enjôos. Vimos terra pela última vez e o condado de Devonshire a mais ou menos dez léguas de Plimouth.

Em 18 havia oito pessoas com a febre atáxica. O número de doentes e mortes aumentava cada dia. Nesse dia morreram cinco pessoas.

Em 19, durante a noite, o balanço do navio tornou-se muito violento. Tudo que não estava solidamente amarrado foi derrubado. Os tonéis rolavam de todo lado. Os pratos e garrafas foram na maior parte quebrados. As pessoas tinham dificuldade de ficar em seus leitos. O vento não diminuiu na manhã, ao contrário, tornava-se cada vez mais violento. Por volta das três e meia ouvimos um grande barulho; era o grande mastro que havia partido e caído sobre a ponte. O capitão foi prevenido tendo logo determinado recolher os cabos e velas que ainda estavam suspensos. Foi tudo uma confusão, mesmo no camarote do capitão, onde uma garrafa contendo xarope de goma espatifou-sema cesta de ovos aconteceu o mesmo bem como grãos, vinho, livros e papéis, tudo misturado no quarto o que nos ofereceu um espetáculo de marionetes, que nos divertiu bastante pois não se sabia onde colocar os pés. Este acidente não nos deixou de atrasar a viagem pois somente conseguimos recolocar um novo mastro quatro dias depois, em virtude da agitação das ondas e do trabalho desenvolvido. Não é fácil recolocar um mastro, com mais de 80 pés de comprimento, com navio jogando continuamente.

Em 20 de setembro estávamos na altura do Cabo Finisterra.

Em 21, a 13 graus de longitude e ...... de latitude.

Em 22 ocorreu um fato comovente. Por volta das quatro horas da tarde encontramos um navio que vinha de Cadiz e ia para Riga. O nosso Capitão pediu ao comandante desse navio para fazer saber em Cherbourg que ele vira, em pleno mar, o navio Urânia, em 22 do corrente.

Eu acreditava passar o dia 24 sem mortes mas esse foi o dia mais terrível de toda a viagem: à tarde sete corpos foram lançados ao mar. Por fim passei a omitir as cerimônias religiosas para, dessa forma, não atemorizar as pessoas doentes com os cânticos fúnebres da cerimônia.

Em 25, em frente à África, a 38 graus e 12 minutos de latitude e 16 graus e 24 minutos de longitude (11).

Em 27, a 33 graus e 3 minutos de latitude e 16 graus e 25 de longitude, vimos a ilha da Madeira. Nosso capitão veio acordar-nos para nos dar esta notícia. Subimos todos à ponte para ver aquela massa de rochedos, o que foi um verdadeiro prazer. O nosso capitão nos havia avisado de véspera o que iria ocorrer e como ele não errou nos cálculos ficou de muito bom humor, porquanto aquele ilha era um ponto referencial de direção para ele. Só tínhamos a nos felicitar por sua conduta em relação a nós e em relação aos colonos. Ele é um homem muito humano e perfeito marinheiro, de cuidados e exatidão perfeitas. Os senhores oficiais de bordo são, também excelentes, bem como toda a tripulação. Com tais marinheiros chegaremos, sem dúvida, a bom porto. Nossa viagem teria sido muito agradável se os colonos tivessem gozado de melhor saúde. Assim, a longa duração da viagem e o depauperamento de muitos espalham nuvens sombrias mesmo nos mais belos dias.

Em 28, quando ainda não tínhamos perdido de vista a Madeira, ocorreu uma calmaria que durou dois dias. Uma brisa vinda de frente nos obrigou a navegar contra o vento. Não foi senão a 2 de outubro que o vento se tornou mais favorável.

O senhor Capitão autorizou o oficial de saúde a distribuir, cada dia, 50 litros de água doce aos enfermos.

Em 3 de outubro, dia do Rosário, estávamos à altura das Canárias e não deslumbramos senão Palma.

Em 6 de outubro, a 24°18’ de latitude e a 19°55’ de longitude. No dia seguinte, por volta do meio dia, passamos o trópico de Câncer.

Em 8 de outubro, a 21°35’ de longitude e 21°6’ de latitude, vento muito favorável. Por volta de dez horas da noite nós fazíamos 9 milhas e ¾, o que corresponde a 16 léguas em quatro horas. Nós vimos nesse dia uma quantidade muito grande de peixes voadores. Os marinheiros encontraram muito deles sobre a ponte, entretanto eles não voam, normalmente, a mais de 5 a 8 pés de altura da água para fugirem à perseguição de outros peixes maiores, sobretudo dos golfinhos.

Em 11 estávamos bem em frente às ilhas do Cabo Verde, que não pudemos ver por causa da neblina. Passamos pelo banco de areia entre o cabo e as ilhas. A água tinha mudado de cor. Lançamos a sonda e encontramos mais de 700 pés de profundidade. Não havia perigo. 21°13’ longitude e 14°15’ de latitude.

Em 17, pela manhã, muitos colonos viram um tubarão que seguia o navio. à noite vimos dois. Os marinheiros se divertiram em pesca-los, uns armados de arpões e outros com anzóis. Logo um tubarão com 18 pés foi vítima de seus esforços. Posto por sobre a ponte por um guindaste logo, com muito esforço logo foram cortadas as extremidades da cauda e, em seguida, abriram o seu ventre e ficamos muito surpresos de encontra em suas vísceras uma pequena criança com a cabeça e uma parte do corpo intactos, com exceção de um dos braços. Presumimos que se tratasse da filhinha de Pierre Joseph Oddin, de Méziéres, que morreu durante a noite precedente. À vista do achado o tenente ordenou aos marinheiros para imediatamente atirarem o conjunto no mar, a fim de não chocar os colonos. O peixe é, entretanto, bom para comer. Os marinheiros pregaram as pontas do rabo do tubarão na parte de traz do navio, como uma marca de triunfo. Até 27 de outubro o número de passageiros havia diminuído a cada dia, mas nesse dia foi aumentado pelo nascimento de Sebastienne Elizabeth, filha de Claude Equez, de Villariaz. Ela foi batizada solenemente na ponte, em presença de todos os passageiros, tendo sido observadas, tanto quanto possível, todas as cerimônias do costume. Comemorou-se a ocasião com a ração de ¼ de litro de vinho para todos os colonos.

Tínhamos passado uma vintena de dias de calmaria e com ventos contrários fracos. Nada mais aborrecido sobre o mar que esses dias de calmaria, porque não se avança e se é continuamente balançado. Esses dias também causaram aos colonos a doença “du pays”.

A 30 de outubro, por volta das sete horas e meia da noite, já escuro e sem a claridade da lua, o capitão, sentado perto da cobertura, levantou-se de repente para buscar a luneta, dizendo que avistara um navio. Somente após olhar longamente na direção indicada pelo capitão e após grande esforço para ver, conseguimos perceber alguma coisa bem longe. No dia seguinte nada mais vimos. Era sempre um prazer renovado para os colonos todas as vezes que percebíamos, mesmo de bem longe, um navio, o que nos aconteceu algumas vezes.

Em 5 de novembro nasceu uma criança e foi batizada no Urânia como Frederic Joseph, filho do falecido François Butty (12), que recebeu este nome por ser o do capitão.

Em 6 de novembro, por volta das 8 horas da noite passamos a linha de 26 graus de latitude. Há a observar que em toda a travessia não sentimos maior calor do que nos dois primeiros dias da nossa viagem, no Lago Estavayer e de Bienne.

Em 7 de novembro pela manhã, depois da oração da manhã, seguiu-se a cerimônia de batizado da “linha”(13). Cinco dos marinheiros na ponte, representando Netuno, sua mulher e seus arqueiros, enfeitados e na ponte, faziam elogios a Netuno. Este, com um tridente, perguntava ao capitão: que navio era este, de onde vinha e para onde ia. O capitão dava todas as respostas, então Netuno, carregado por dois marinheiros, aproximou-se da ponte de comando, onde o capitão o recebeu em grande uniforme. Como ele já tinha passado muitas vezes pela linha, Netuno disse que o conhecia bem e que satisfizera plenamente as “leis da linha”. Ele fez vir, em seguida, o imediato de bordo, vedou-lhe os olhos e o conduziu para perto de um grande tonel de água, onde o fez sentar-se na borda e, em seguida, tendo-lhe pintado o rosto com “preto de Lyon”(14) misturado com óleo, barbeou-o com uma lâmina de ferro, tendo por cabo um grande pedaço de madeira. De repente, tiraram-lhe a tábua que o sustentava, mergulharam-no na barrica, jogaram sobre a sua cabeça uma grande quantidade de potes de água. A mesma solenidade foi repetida com o tenente e todos os marinheiros que ainda não tinham atravessado a “linha”. Antes da diversão que realizaram, fizeram uma subscrição para obter o dinheiro necessário a uma comemoração festiva, com bebidas, a ser realizada oportunamente.

Os senhores passageiros do quarto(15) e os serventes de serviço subscreveram uma quantia para dar bebida a toda a tripulação que havia sido excluída das “cerimônias” por estarem em serviço, conforme o costume , alguns deles eméritos bebedores... Logo depois das “formalidades” foi jogada água sobre todos os presentes. O sr. capitão teve o prazer de se fazer molhar para, também, molhar todos os outros. Um grande número e sobretudo senhoras e moças foram se esconder na entre-ponte. Foram procuradas por bem ou por mal, de tal forma que todo mundo a bordo, com exceção dos enfermos, foram molhados. Foi assegurado que se alguém sutilmente conseguisse escapar, teria o batismo no dia seguinte. Terminamos o dia nos divertindo bastante.

Depois da passagem da “linha” distraímo-nos pescando pois víamos uma quantidade prodigiosa de peixes que seguiam o navio. Pescamos uma tão grande quantidade que os distribuímos a todos os colonos.

Os peixes que pescamos em maior número foram ..........., depois alguns ............. e um só golfinho. Vimos um dia um enorme peixe que seguia o navio. Ele tinha na cabeça uma enorme espada com muitos pés de comprimento e uma espécie de serra. Chamam-no de espadarte.

Em 18 de outubro tivemos uma tempestade que durou quase 24 horas. à tarde as vagas eram tão grandes que vinham bater no alto do navio, cobriam de água as janelas do quarto do capitão e o convés. Neste instante o oficial de saúde lia perto da janela ficou encharcado pela água que penetrou pela janela. Ele foi obrigado a testemunhar seu reconhecimento a Netuno, fazendo-lhe presente de sua tabaqueira e um lenço, que desapareceram com as ondas.

O dia 19 foi ainda mais tempestuoso. Não se podia ficar em pé na ponte, sem apoio. Muitos caíram. De noite, Josephine Gauthier, que estava sentada em cima da tampa de uma caixa dos marinheiros, foi levada, com a caixa, até a borda do navio, escapando de ter as pernas quebradas. Ela dava gritos terríveis e foi transportada imediatamente para a cabine do oficial da saúde. Felizmente ela nada fraturou mas passou dores cruéis por causa das contusões que sofreu. À tarde uma vaga entrou pela ponte e levantou a tampa que vedava o quarto do comandante e molhou os que lá estavam. À noite, quando os marinheiros serviam a ceia uns dois permaneceram para velar pela segurança das comidas. Uma violenta onda, todavia, revirou tudo que estava sobre a mesa.

Em 20, o tempo melhorou. Tivemos sol a pino.

Em 25, dia de Santa o Catharina, vimos duas embarcações de cabotagem. Como se dirigia para nós, o capitão mandou dar um tiro de canhão, para faze-lo aproximar-se a fim de obter informações. Era um português que nos fez saber estarmos a uma dezena de léguas de Cabo Frio, como calculara o nosso capitão. Uma parte dos colonos, especialmente as mulheres, foram tomados de pavor pelo barulho do canhão. Eles poderiam ter avisado.

Por volta das seis horas da tarde subi ao local do comando e, depois de algum tempo descobri Cabo Frio e mostrei ao capitão e ele viu que era de fato. Anunciamos o fato com gritos de “terra!”. No dia seguinte todos puderam ver esse ponto de rocha, o que muito reanimou os colonos.

Demoramos três dias para chegarmos à frente de Cabo Frio. Ora era calmaria, ora eram ventos contrários que nos obrigava a retroceder e a corrente do mar nos devolvia à mesma posição. Não foi senão em 28 , domingo do Advento, que soprou uma leve brisa favorável e nos aproximou do forte São João, local por onde se entra na baía, mas como a noite estava próxima, voltamos a mar aberto. O vento estava tão violento que fomos empurrados bem longe, de forma que no dia seguinte não pudemos recuperar o que havíamos perdido durante a noite. Aqui as tempestades chegam de forma muito imprevista, como experimentamos no dia 29 à noite. Nós dobramos logo as velas e continuamos aproximadamente na mesma posição, porque não se pode chegar perto da terra durante a noite, sobretudo quando há uma rota de pilotagem para entrar no porto.

Em 30, veio uma brisa favorável que nos conduziu, felizmente, ao porto do Rio de Janeiro.

A entrada na baía é soberba. É impossível gozar-se de tão bela vista. Passando em frente ao forte de Santa Cruz um piloto veio ao nosso encontro e pouco depois vieram outros dois. A visita de diferentes funcionários prolongou-se até à noite. Ficaram chocados quando lhes dissemos que havíamos perdido 109(16) pessoas na travessia e mais três crianças nascidas a bordo. Disseram-nos que estivéssemos prontos para partir para Tamby(17), a sete léguas da cidade, em 2 de dezembro, logo que S. Majestade nos tivesse passado em revista. Os oficiais de bordo obtiveram permissão para irem ao Rio de Janeiro, mas não os colonos. Aproveitei com prazer esta permissão. Os arredores são mais bonitos do que a cidade. O calçamento é detestável, as casas bastante mal construídas. Na maior parte não têm senão um andar. Durante o dia não vimos senão negros, eles fazem todo o trabalho. A maneira como são tratados me causou uma impressão extremamente sensível , tanto que não pude demorar um momento para voltar a bordo. Indo apresentar minhas homenagens à Sua Excelência(18) mas ele estava ocupado em Tamby com os interesses e boa recepção dos colonos. Seu auxiliar me propôs ir à Capela do Rei. Era uma festa de aniversário na Corte. Toda a família Real assistiu à missa; vi na procissão todo o clero secular e regular, que é muito numeroso. Durante a missa o seu ajudante de campo me disse que me apresentaria ao Rei, após o ofício. Agradeci a honra e a atenção que ele tinha comigo. Depois, fomos ao Palácio real, onde aguardamos por algum tempo até que vieram dizer-nos que eu seria admitido à Audiência do Rei. S. M. estava de pé diante de uma mesa, eu o saudei com três profundas reverências, de distância em distância. Chegando perto beijei-lhe a mão, conforme o uso dos portugueses. Ele conversou durante um quarto de hora , mais ou menos, sobre nossa viagem e a situação física e moral dos colonos.

Agradeci à sua majestade a bondade que tivera em me receber e me retirei fazendo profundas inclinações. O primeiro chanceler veio acompanhar-me até à porta. Fiquei extremamente lisonjeado pela a maneira afável e bondosa pela qual fui acolhido por sua majestade.

Voltei logo a bordo do navio pois senti renascer em mim a melancolia ao percorrer a cidade do Rio de Janeiro, com as suas ruas mal calçadas, de uma sujeira repugnante e o espetáculo que oferecem os negros e os escravos, a maneira como são vestidos e tratados, verdadeiramente entristecedora para os estrangeiros. Em 2 de dezembro, por volta das 8 horas da manhã, o Rio e toda a família Real, vieram visitar-nos a bordo. Ele circulou várias vezes pelo navio ao som das aclamações e gritos de “Viva o Rei”. Logo em seguida entramos nos barcos que nos levaram a Tamby, a 4 léguas da capital, onde repousamos até o dia 6. Monsenhor Miranda, chanceler do Reino e Inspetor da Colônia, lá estava para receber os colonos e prover a todas as suas necessidades; seria impossível expressar com que bondade e generosidade todos os colonos foram acolhidos. Dia 6, todos os colonos foram transportados para Macacu(19), onde os doentes e enfermos permaneceram até estarem em condições de continuar a viagem. Em 7 fomos para Colégio, em charretes, em duas etapas, puxadas por seis ou oito bois. De Colégio às terras do coronel Ferreira(20), onde paramos dois dias. No dia 10 dormimos no Registro da serra. Em 11, todo o nosso grupo chegou , a pé ou em mulas, a Morro Queimado, ou Nova Friburgo, local de nosso destino, onde os colonos embarcados no Daphné e Debby Elisa já tinham chegado há alguns dias. Sua Majestade tinha mandado construir não barracas, como dizia o tratado, mas casas com quatro cômodos, mas sem cozinha. Nas colônias se faz fogo em pleno quintal, ou nos quartos – Estamos, atualmente, na estação das chuvas que duram diversos meses. Quase não há dia que não chova. Isto faz com que os fogos sejam impraticáveis, em vista da encharcada terra argilosa. A posição da Vila é num pequeno plano , com montanhas muito altas em todos os lados, muito íngremes, o que torna difícil cultiva-las. O solo, entretanto, parece muito bom.

A divisão das terras não será feita senão após a chegada de todos os colonos(21). Isto faz com que os primeiros que chegaram estejam inativos, eles podem, entretanto, trabalhar como diaristas para o governo e ganham 3 cents (?) por dia, ou mais , proporcionalmente à sua habilidade, alguns recebem até 4 francos por dia, além do seu subsídio(22). Isto é uma benevolência do governo que não procura senão favorecer os colonos.

Os colonos embarcados no navio Daphné, em Rotterdam, em 11 de setembro de 1819, em número de 192, chegaram ao Rio de Janeiro em 4 de novembro e ao Morro Queimado, em 15, tendo perdido 31 pessoas durante a travessia.

Os colonos embarcados em Rotterdam no navio Debby Elisa, capitão Spranel, em 12 de setembro, em número de 233, chegaram ao Rio de Janeiro em 26 de outubro de 1819 e ao Morro Queimado em 6 de dezembro, tendo perdido 26 pessoas na travessia.

Os colonos embarcados em Rotterdam no navio Urânia, Capitão Bochs, em 12 de setembro, em número de 437, chegaram ao Rio de Janeiro em 30 de novembro de 1819 e ao Morro Queimado em 11 de dezembro, tendo perdido 109 pessoas na travessia.

Os colonos embarcados em Amsterdam, no navio Elisabeth Marie, capitão Struyk, em 10 de outubro, em número de 228, chegaram ao Rio de Janeiro em 7 de dezembro de 1819 e ao Morro Queimado em 18, tendo perdido 19 pessoas na travessia.

Os colonos embarcados em Amsterdam, no navio Heureux Voyage, capitão Van der Cerar, em 10 de outubro, em número de 437, chegaram em 17 de dezembro ao Rio de Janeiro e ao Morro Queimado em 27, tendo perdido 40 pessoas na travessia.

Os colonos embarcados em . Gravendel, perto de Rotterdam, em 12 de setembro de 1819, no navio Deux Catherine, capitão Bot, em número de 357, chegaram ao Rio de Janeiro em 4 de fevereiro de 1820, tendo perdido 77 pessoas na travessia.

Os colonos embarcados no navio Camillus, em Den Helder, perto de Amsterdam , capitão Grippensee, em 10 de outubro de 1819, chegaram ao Rio de Janeiro em 8 de fevereiro de 1820, tendo perdido 11 pessoas na travessia. Este navio encalhou na areia e foi obrigado a aportar em Ramsgate, porto da Inglaterra.

Todos os colonos chegaram ao seu destino, Morro Queimado, dez dias após a sua chegada ao porto do Rio de Janeiro

Monsenhor Miranda, Grande chanceler do Rei e Inspetor da Colônia, chegou a Nova Friburgo em 4 de março de 1820. Ele se ocupou da organização das famílias que foram compostas voluntariamente(23) por 16, 17 ou 18 pessoas. Feita essa operação passou-se à preparação dos terrenos para hortas e obras públicas, como abertura de canais, vias públicas, etc.(24)

Em 17 de março ocorreu a cerimônia da inauguração da Vila, de forma bem solene. O sr. Porcelet(25) discursou para os colonos num palanque construído no meio da praça, feito sob os gritos de Viva o Rei, etc. À noite houve iluminação defronte de todas as casas.

Em 30 de abril, 15 pessoas da religião reformada, entraram para o seio da Igreja Católica Apostólica Romana. A abjuração foi pública, antes do ofício da Paróquia. Monsenhor Miranda foi o padrinho de todos na cerimônia do batizado sob condição.

Em 3 de maio o Monsenhor Miranda partiu para o Rio de Janeiro. Ele foi acompanhado por umas trinta pessoas a cavalo até uma meia légua da vila. Ele voltou em 6 de agosto para uma festa Real que teve lugar por ocasião da bandeira do Reino ser colocada na Capela Real, da inauguração da Praça João VI, da casa das escolas e do hospital(26), tendo-se feito a benção de cada um desses monumentos, após um discurso pronunciado, para a Praça João Vi, pelo senhor Quevrèmont, Comissário geral de polícia, para a Escola, pelo senhor Porcelet e para o Hospital, pelo dr. Bazet, doutor da colônia. Seguiu-se o ofício divino, quando o vigário fez um discurso de acordo com a festa e cantou-se um Te Deum em ação de graças.

Em 24 de junho o Vigário recebeu a condecoração da Ordem do Cristo, com um decreto do Rei, concedendo uma gratificação e um subsídio anual(27).

O Dr. Barzet recebeu a mesma condecoração, no dia da festa de São Pedro, em 29 de junho, dia da festa do Monsenhor Miranda, com um subsídio de 900$000 réis por ano, durante cinco anos.

- Fim -

Seguem as observações assinaladas no texto:

1. A partida dos colonos suíços que em 1819 demandaram o Brasil, quando vieram fundar Nova Friburgo, foi realizada em três levas que saíram, sucessivamente, de Fribourg, Soleur e Basiléia, tendo sido integradas nesta última cidade;

2. No final deste trabalho há um esquema indicativo do itinerário realizado na Europa pelos colonos;

3. Légua é uma antiga medida itinerária que variou de 4,5 a 6,6 quilômetros. Ainda hoje, no Brasil, é usada a légua de 6 km;

4. O autor referiu-se ao filósofo Jean Jacques Rousseau, que resistiu na ilha por algum tempo;

5. Cerca de 91,44 metros, dando-se ao “pé” o valor de 30,48 centímetro;

6. Esta é, segundo alguns, uma das provas de que alguém poderoso opunha-se à vinda dos colonos suíços para o Brasil, tentando obstaculizar o cometimento;

7. Partida dos navios: Daphné: 11.09.1819 = Debby Elisa: Urânia e Deux Catherine 12.09 = Elizabeth Marie e Hereux Voyage, 10.10 eCamillus, 11,10;

8. Partida dos navios: Daphné: 11.09.1819 = Debby Elisa: Urânia e Deux Catherine 12.09 = Elizabeth Marie e Hereux Voyage, 10.10 eCamillus, 11,10;

9. François Butty, de Mézieres, Fribourg, embarcou com a mulher e quatro filhas. Duas delas, Claude, de 12 anos e Madeleine, de 5, também morreram na viagem;

10. Um exagero de Joye. Londres ficava há mais de 100 km. de distância;

11. Presumimos que a posição do navio passou a ser medida, também, por Joye, que aprendera a manejar o sextante com o capitão, de quem, parece, tornou-se seu amigo;

12. François Butty foi o segundo óbito a bordo do Urânia;

13. Linha do Equador;

14. Negro de fumo, pigmento negro utilizado em tintas;

15. O trabalho executado pelos colonos, quando embarcados. Foi uma condição imposta aos mesmos, com a principal finalidade de lhes afastar o tédio;

16. Em outrs fontes consta como sendo 107 os vitimados do Urânia. Todavia há de se condirar que Joye foi a mais gabaritada das testemunha que viajaram no Urânia;

17. Hoje Itambi;

18. Monsenhor Miranda Malheiro, inspetor da colonização estrangeira;

19. Vila de Santo Antonio de Sá, conhecida como Vila de Macacu, hoje desaparecida e onde havia um grande convento que foi usado como hospital para os colonos e onde faleceram 35 deles. A vila desapareceu, talvez dizimada pela doença que trouxeram;

20. Fazenda do coronel Ferreira, onde hoje está Cachoeiras de Macacau;

21. A divisão dos lotes agrícolas ocorreu em 23 de abril de 1820;

22. O subsídio, no primeiro ano, foi de $100 por dia, por colono de 3 anos ou mais;

23. “Famílias artificiais” ou “famílias agrícolas”, foi uma engenhosa idéia tida pelo Monsenhor Miranda para resolver o grave problema criado por Gachet. D.João VI contratou com Gachet a vinda de cem famílias e, para aloja-los provisoriamente em Nova Friburgo, mandou construir 100 casas de quatro cômodos e demarcar uma centena de áreas agrícolas, uma para cada família. Chegaram 1.600 pessoas com quase 500 sobrenomes. Como fazer? Monsenhor Miranda recomendou aos colonos que se organizassem em 100 grupos de pessoas amigas. Cada grupo ocuparia uma casa e receberia um lote. Por isso algumas casas foram ocupadas por mais de 20 pessoas;

24. Ainda hoje subsistem, no centro da cidade de Nova Friburgo, canais aberto pelos suíços. Um deles, a “vala dos suíços”, aberta para recolher as águas de chuva que desciam dos morros e servir de esgoto para as casas, permanece funcionando por debaixo das casas do lado leste da Praça Pres.Vargas;

25. Pierre-Louis de Precelet, de Esvayer-le-Lac, dizia-se médico e de origem nobre. Foi o primeiro friburguense a fazer um discurso em praça pública, em 17.04.1820, dia em que foi criada e constituída a Câmara de Nova Friburgo;

26. Esta “inauguração” não passou do lançamento de “pedras fundamentais”, que devem lá continuar, na Praça Getúlio Vargas, debaixo dos aterros sucessivos que ela foi recebendo com o passar dos anos;

27. O subsídio recebido por Joye foi de 600$000 réis, durante 5 anos.

Fonte de pesquisa: "A Gênese de Nova Friburgo" - Martin Nicoulin

Este documento está disponível para download.

Comentários (1)
ciça: 03/07/2021 06:10
Legal, gostei muito!  

Para escrever comentários você precisa estar logado. Para efetuar o login clique aqui.

Educação Ambiental na Prevenção de Desastres Naturais (02-05-2012)
Seminário de Abertura na Câmara Municipal a
partir das 10:00h nos dias 03 e 04 de maio.

Projeto do Bicentenário de Nova Friburgo (19-11-2011)
Projeto do Bicentenário de Nova Friburgo dá a partida em direção aos 200 anos de nossa cidade

Bicentenário NF (01-10-2011)
O Bicentenário de Nova Friburgo

Lista dos Aprovados - Concurso de 1999 (30-08-2011)
AVISO IMPORTANTE
Sobre o Concurso Público de 1999

I Encontro Estadual de Arquivos (19-08-2011)
A Fundação D. João VI de Nova Friburgo estará presente para uma apresentação dos trabalhos de digitalização e uma demonstração da tecnologia desenvolvida

O Pró-Memória e o Arquivo Nacional (13-08-2011)
Uma visita ao Arquivo Nacional e a promessa de uma parceria promissora.